Cleyton da Silva Leite

Cleyton da Silva Leite, 19 anos, foi uma das vítimas dessa barbárie praticado pelos que defendem o nazismo, denominados SKINHEADS. Este grupo se veste com coturnos militares, suspensórios, roupas camufladas e raspam a cabeça (por isso são chamados de carecas). Andam em grupos, são violentos, atacam com tanta fúria e querem exterminar os nordestinos, negros, homossexuais, judeus, garotas e garotos de programa, os pobres como os moradores de rua, etc. Têm atitude inadmissível. Cleyton também se vestiu de camiseta de bandas Punk (movimento do qual os skinheads são contrários). Alegre, não imaginava jamais de que o seu modo de vestir viesse ser o motivo da tragédia. Ele estava acompanhado de seu grande amigo, Flávio, mas Infelizmente, Cleyton não teve a mesma sorte do Flávio (apesar de ter seu braço direito amputado). Cleyton, veio a falecer uma semana depois, de traumatismo craniano.

 

Ele tinha um grande sonho: de concluir os estudos e conseguir um melhor emprego onde pudesse ajudar os seus pais para uma vida melhor. Ele era repositor de mercadorias, era funcionário do Hipermercado Shibata, no município de Itaquaquecetuba. Apesar de residir no município de Mogi das Cruzes, ele ia todos os dias trabalhar e sempre voltava bem humorado e feliz por estar trabalhando e ajudando no orçamento doméstico.

 

Os três culpados foram reconhecidos pela câmera de monitoramento da CPTM, que ajudou a polícia a identificar os culpados. Os dois, Juliano Aparecido de Freitas, 18 anos, 0 Dumbão e Vinícius Parizzato, 24 anos, o Capeta, estão presos no CDP de Mogi. E o outro, o 3º , Danilo Gimenez Ramos, sempre esteve foragido e hoje pela graça da lei brasileira tão branda, que sempre favorece os bandidos, com tantas “brechas”, nunca esteve preso e conseguiu no STJ a “ benção da lei “ tão comovente que revogou a prisão preventiva, concedendo que responda o processo criminal em liberdade.

 

Da forma que se direciona a nossa lei, logo será a vítima considerada a culpada por não ter sobrevivido a essa barbárie e os culpados serão os inocentes, sendo a vítima “ o réu “ e o culpado “ a vítima” , pois o morto não fala , não se defende, não é verdade? A família destruída, mutilada, tentando a conviver com essa perda irreparável, com ajuda de “listão” de medicamentos. Apelo da mãe : Organize comitês de ação contra o racismo; Não tolere mais esta hipocrisia ; Chega de impunidade: lute para um Brasil melhor! Ajude-nos nessa luta contra a violência e impunidade: Prisão perpétua a todos que ceifaram a vida! Junte-se a nós, nessa luta!

                                                                                                   Web Design: Elizabeth Metynoski *Todos os Direitos Reservados*