Gabriela Nunes de Araújo

Gabriela Nunes de Araújo, foi baleada na cabeça por dois criminosos que entraram no condomínio onde ela morava. Ela e a irmã gêmea estavam com a babá em casa, e os pais tinham viajado a trabalho.

Quando os criminosos entraram, o alarme da casa disparou. De acordo com o delegado que investiga o caso, Paulo Henrique Nabuco, a babá teria se recusado a desligar o equipamento e os criminosos dispararam. Gabriela Nunes de Araújo foi atingida na cabeça.

O delegado Nabuco ainda disse, em coletiva realizada na delegacia da cidade, em dia 21/05/2009, que o disparo foi intencional. “Não houve o tiro acidental”. Durante a tarde o delegado ouviu vigilantes e funcionários da empresa responsável pela segurança no condomínio. Ele acredita que os bandidos planejaram o assalto e tinham conhecimento da rotina da família. “Eles não iriam invadir um local em que a cerca elétrica estivesse funcionando”.

Para fugir, os assaltantes roubaram o carro de um casal, na saída do condomínio. Esse casal e a babá já prestaram depoimento. Testemunhas reconheceram, por foto, os dois criminosos.  "Um é menor, tem 17 anos, e o outro tem 20 anos. [Eles] já têm várias passagens pela delegacia por porte, por furto e tráfico de entorpecentes", disse o tenente coronel Antonio Marcolino Vieira.

O menor tinha sido detido em janeiro, mas foi liberado porque a ocorrência não era considerada violenta. Nabuco também informou que os ladrões levaram jóias e dinheiro da casa. Por esse motivo, serão indiciados por roubo seguido de morte.

Gabriela Nunes de Araújo foi levada para a Santa Casa de Rio Claro, onde passou 12 horas na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI). Em 20/05/2009, ela foi transferida de helicóptero para o Hospital Albert Einstein, na Zona Sul da capital paulista.

Assim que chegou ao hospital, Gabriela Nunes de Araújo, foi levada direto para a sala de cirurgia. Os médicos tentaram reduzir um inchaço na cabeça, chamado de edema cerebral, que foi provocado pelo ferimento a bala. Foram três horas de operação. A criança passou a noite na UTI pediátrica do hospital e teve morte cerebral anunciada em 21/05/2009. A família autorizou a doação dos órgãos.

O menor de 17 anos confessou ao delegado responsável pelo inquérito ter atirado na menina.

O adolescente foi preso em Dracena, a 634 km de São Paulo. Ele está em uma unidade da Fundação Casa, ex-Febem, mas a instituição não informa para qual unidade o menor foi encaminhado por motivo de segurança.

                                                                                                   Web Design: Elizabeth Metynoski *Todos os Direitos Reservados*