Jamile de Castro Nascimento

Jamile foi até o prédio para realizar uma avaliação no imóvel na Vila Mariana (zona sul de São Paulo) e nunca mais foi vista. O porteiro Jadson José dos Santos,  32 anos, confessou aos policiais da DAS (Divisão Anti-Seqüestro) que matou a arquiteta com uma pancada na cabeça, para roubá-la. De acordo com o depoimento, o suspeito observou Jamile quando ela entrou no prédio. Na saida ele a abordou e pediu que ela preenchesse um papel. Quando ela se aproximou para atender ao pedido, o porteiro bateu com sua cabeça no chão. O corpo da arquiteta que estava desaparecida desde o dia 17/07/2007, foi localizado em 14/08/2007 em uma fossa do prédio. A causa da morte, de acordo com a SSP, foi traumatismo craniano. O próprio suspeito mostrou o local onde o corpo da arquiteta estava.

 

No dia seguinte ao desaparecimento da arquiteta, a DAS descobriu que um cartão de crédito de Jamile havia sido usado para comprar dois celulares em uma loja que fica na zona leste da cidade. Os investigadores, então, procuraram a vendedora e pediram que ela entrasse em contato com o comprador dos telefones pedindo para trocá-los por causa de um defeito. O porteiro foi preso ao retornar à loja com o carro de Jamile, um Palio, estava também com os cartões e documentos dela.

Santos responderá por latrocínio (roubo seguido de morte) e ocultação de cadáver. Ele ainda é suspeito de seqüestro relâmpago em outros três inquéritos.

A mãe de Jamile chegou a ir ao prédio para perguntar se alguém havia visto a arquiteta no dia em que ela desapareceu. Ela foi atendida por Santos, que chegou a fazer a descrição das características da arquiteta para sua mãe. O porteiro recomendou que a mãe procurasse pela filha em hospitais e no IML (Instituto Médico Legal).

                                                                                                   Web Design: Elizabeth Metynoski *Todos os Direitos Reservados*